As emoções durante a gestação No ratings yet.

A gestação é um dos momentos mais especiais na vida de uma mulher. A chegada de um novo membro na família é motivo de celebração e muita preparação para receber o bebê que está a caminho. Sabemos que a gestante sofre várias transformações físicas, hormonais e principalmente emocionais porém cada gestação é única. A forma como a gestante viverá esse momento de plenitude, dependerá do seu momento no momento da concepção.

Diferentes fatores levam as mulheres a se tornarem mais sensíveis durante a gravidez, e uma das principais explicações para as variações emocionais são os HORMÔNIOS.

Durante a gestação, a secreção hormonal aumenta drasticamente e por isso as gestantes se tornam suscetíveis à instabilidade de humor, à irritabilidade e à sensibilidade. Apesar dessas consequências, aparentemente, negativas, essas variações hormonais são de extrema importância para o desenvolvimento fetal e para a manutenção da gravidez.

As emoções e suas manias

Outro fator desencadeante dessa turbulência emocional esta relacionado às mudanças que ocorrem no sistema nervoso central. Controlar os nervos e emoções de uma grávida é missão quase impossível! A tendência é que elas desenvolvam manias, aversões a comidas, desejos curiosos, amnésia e se tornem mais vulneráveis em relação as suas emoções. Com isso, as grávidas choram e sorriem com mais facilidade do que o habitual. Você já viu alguma grávida falar que está se sentindo estranha? Que esquece as coisas com mais facilidade? E as que tem desejos malucos?

Alterações dos hormônios na gestação

Oscilar entre tristeza e felicidade faz parte da gestação, devido as alterações hormonais tornando a gestante sensível, mas também devido ao receio aos desafios. Por isso, o APOIO das pessoas que convivem com a gestante faz toda diferença, seja do companheiro, família, amigos, vizinhança ou das redes sociais.

É preciso saber compreende-la nas suas novas necessidades. Paciência deve ser pré-requisito para lidar com mamãe que se desenvolve junto com o bebê.

Angustia e ansiedade na gestação

É comum sentir angústia e ansiedade no período gestacional, porém se a gestante não consegue lidar com as próprias emoções, talvez seja o caso de buscar ajuda profissional. Quando a tristeza traz consigo também apatia (o que é diferente de cansaço) e choro em excesso, ligue o alerta pois esses sentimentos podem desencadear uma depressão pós-parto e esses sintomas podem aparecer desde a gestação.

É de extrema importância o acompanhamento de pré-natal com um médico de sua confiança (quando possível, inicie esse acompanhamento ainda no planejamento da gravidez). É preciso alinhar os cuidados físicos e emocionais para propiciar que mãe e bebê estejam em sintonia, e as transformações inerentes à gestação seja vivenciada de forma prazerosa ao longo dos 9 meses.

A medicina e a ciência têm falado cada vez mais sobre como as experiências intrauterinas e o estado emocional da gestante afetam o bebê e impactam na sua personalidade. Desde o momento da concepção, a relação de troca é profunda entre mãe e filho, já que o bebê depende exclusivamente da sua mãe para se desenvolver.

Mas essa a troca vai além do desenvolvimento físico pois, conforme o bebê vai crescendo no útero , ele recebe sinais químicos que permitem sentir o estado emocional e psicológico da mãe, ou seja, emoções positivas e negativas são compartilhadas o tempo todo.

Conversar é o melhor caminho

E aí surge o questionamento, como não deixar que esses sentimentos e emoções que, na maior parte das vezes, são incontroláveis durante a gravidez, afetem o bebe? Crie uma relação positiva com o bebê! Converse bastante com o seu bebê, conte sobre seu dia, fale o que está fazendo e diga que todos os seus sentimentos são seus, explique porque está se sentindo triste, ou com medo, ou da forma que estiver.

Nesse momento de pandemia, muitas gestantes têm se sentido assustadas com o futuro, por isso é importante conversar sobre os seus sentimentos, seu bebê não sabe o que está se passando, mas ele recebe toda sua carga emocional. Nesse mesmo sentido de estabelecer o vínculo, está a importância da presença ativa dos pais para a criação de emoções positivas, os mesmos podem ajudar o bebê a sentir novas emoções, estimulando-o de forma consciente.

Falar, contar histórias, cantar, dizer o quanto ele é esperado faz com que o bebê se sinta acompanhado e amado. Comece a criar uma relação positiva e que transmita coragem e confiança para seu bebê e para você também porque quanto mais próximos vocês estiverem, mais equilibrado será o seu estado emocional.

A gestação é um mundo de descobertas e um caminho cheio de inseguranças e cobranças, porém não existe fórmula mágica nem receita de bolo. Aquilo que serviu para mim, pode não se encaixar na sua vivência. Procure ser flexível, aceitar e acolher a sua experiência, isso faz parte da sua história. Minha dica para você é: Permita-se!! Não se compare e viva!! Essa fase também passa.

E, se quiser mais informações. Auxílio para uma jornada mais consciente e respeitosa, pode contar comigo!

Por,

 Vika Jardim – Doula

@vikajardim.doula

Please rate this